Objetivos

Formar profissionais com sólida base em pesquisa e teoria ecológica, capazes de aplicar este conhecimento para responder questões relacionadas à conservação da biodiversidade. A este novo perfil profissional chamamos de Ecólogo da Conservação. Neste processo de formação, o curso propicia amplo engajamento dos alunos em suas ações que inclui:

  • Responder demandas de informações necessárias para subsidiar estratégias de conservação;

  • Fomentar e consolidar parcerias com instituições voltadas para conservação da biodiversidade e para a divulgação científica de alto nível;

  • Promover canais de comunicação entre o meio acadêmico e os demais atores sociais, com a promoção de eventos, assessorias (de ambas as partes) e desenvolvimento de projetos em parceria;

  • Promover esforços para o desenvolvimento de projetos integrados de longo prazo que, já em sua concepção inicial, visem à aplicação dos resultados para a conservação, estimulando a participação de pesquisadores e alunos de dentro e de fora do programa;

  • Liderar o desenvolvimento científico para a conservação da biodiversidade nacional.

O perfil do Ecólogo da Conservação

O aluno do Programa terá formação sólida em Ecologia e Conservação, tanto teórica quanto metodológica (delineamento e análise), que lhe permitirá atuar em várias dimensões dessas áreas do conhecimento. Além disso, o Ecólogo da Conservação egresso do PPGECB/UESC será capaz de visualizar a efetiva aplicação dos resultados de sua pesquisa em estratégias e programas de conservação. Este perfil é cada vez mais desejável frente à acelerada demanda por pesquisas que possam responder questões práticas relacionadas à conservação da biodiversidade, cada vez mais imperativas para todos os setores da sociedade.

Uma formação através de parcerias

O meio acadêmico forma recursos humanos para atuar em pesquisa científica. No entanto, as demandas por informação e soluções factíveis para problemas reais é dada, em grande medida, pela sociedade. Para aumentar a inserção do Programa e dos seus estudantes, o curso mantém parcerias com instituições governamentais e não-governamentais atuantes na área ambiental, tais como o Centre for Research and Conservation - Royal Zoological Society of Antwerp, o Ministério Público do Estado da Bahia, o Instituto de Estudos Sócio Ambientais do Sul da Bahia (IESB), a Conservação Internacional (CI-Brasil), Projeto Tamar, Instituto Baleia Jubarte (IBJ).

O Instituto de Estudos Sócio Ambientais do Sul da Bahia (IESB), a Reserva da Michelin e diversas áreas públicas de conservação como a Reserva Biológica de Una e o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, oferecem áreas naturais para pesquisa da biodiversidade. Além disso, os docentes do Programa atuam em parceria com pesquisadores de diversos centros de excelência em pesquisa e conservação da biodiversidade, no Brasil e no exterior.

Entre estes centros destacam-se no Brasil: CENA-USPUNICAMP, UFBA, UnB, UFPE, JBRJ, UEM, UFPB, UFRJ e no exterior: University of Queensland, New York Botanical Gardens, Lincoln University, Boston University.